quinta-feira, 24 de março de 2011

Sexta, pra quê aumentar tanta guerra?

Os antigos (antigos mesmo, que astrologia é uma ciência velha. Bote aí uns 4.000 a.C.) chamavam Júpiter, regente da nossa já conhecida Lua em Sagitário, de "o grande benéfico", significador do sucesso e da boa sorte. Então, v'umbora chamar por Júpiter, né isso? Aí é que está: mais ou menos. Como brincou o Cividanes numa metáfora que achei muito bem bolada, a tendência é tratar Júpiter como o Papai Noel do céu.

[Na verdade, segundo Anna Maria Costa Ribeiro, quem foi simbolizado como Papai Noel foi Saturno que, ao contrário de Júpiter, tem fama de maléfico. Outro dia falo dele aqui.]

Entenderemos melhor Júpiter se o associarmos à idéia da expansão: esse planeta amplia o que toca. Pode ser bom, se ele amplia as oportunidades, a grana, os contatos, o amor; pode ser ruim, se ele nos lança em toda a sorte de excessos, se aumenta o drama, o choro, o ranger de dentes (é dramático mesmo, gente). Amplia a preguiça, também: diante desse benéfico, podemos ficar simplesmente parados, à espera de um milagre.

Hoje, Lua em Sagitário durante todo o dia. Assim como ontem, o céu segue em chamas. Mas é sexta-feira, é o dia de Vênus, e quem mesmo está interessado em ampliar toda essa guerra? O céu é destino, mas é também convite. Vamos aproveitar que, de tarde, a Lua faz um contato harmonioso com a dupla Vênus-Netuno. Vênus, essa linda (a deusa do amor, gente!!), e Netuno, a oitava superior de Vênus, juntinhos em Aquário: o amor sob a forma de amizade, ideais, liberdade. E já que falei no Cividanes, encerro com um comentário dele sobre esse aspecto: "Como diria Hannah Arendt, precisamos avançar para o amor mundi: um amor que supera a individualidade e abraça a humanidade como uma grande congregação humanista, democrática, consciente." Que assim seja!

Hoje à noite, lá pelas 19h-20h, assino de novo o Pós-Horóscopo do Saturnália. Passem lá.

2 comentários:

Lisavietra disse...

Hannah Arendt que escreve sobre ciência política?! sério?! tô passada...

Ana F. disse...

Diz que é, ele não citou a referência.
Mas não é que ela escreveu sobre astrologia, não! Ele citou ela para ilustrar o que estava falando.