sábado, 7 de maio de 2011

Lua em Câncer, não faça pouco do amor

Hoje, o parque estava vazio: acho que o povo usou a chuvinha como desculpa para esticar o sono mais um pouco na cama. Também né, a Lua já está no signo de Câncer - o aconchego, o ninho, segurança física e emocional, caminha quente, nutrição, maternidade - e amanhã teremos Dia das Mães sob Lua em Câncer!

(@ACUIO acaba de lembrar no Twitter: Lua em Câncer "puxa" água. Em Curitiba, pelo menos, onde ele mora. Preciso ficar mais atenta)

Lua e Câncer = tudo a ver. Dizemos: a Lua está domiciliada em Câncer. Quer dizer, é o signo em que o planeta funciona melhor, exerce melhor suas funções. (nota: eu sei que Lua não é planeta, mas Astrologia chama tudo de planeta. Pela atenção, obrigada). Sempre me ocorre a imagem de que dia de Lua em Câncer é uma boa oportunidade para bater um bolo - quero dizer, alimentar alguém, porque a Lua é nutridora. Também curtir com a família, aproveitar a casa, aproveitar a caminha macia. Quem tem filho, encarna a própria Lua e corre pro abraço.

Só que aí essa nossa Lua em Câncer está, como se diz em "astrologuês", aflita (aflita é uma coisa que mãe fica mesmo vez em quando, né?). Por aflita, entendam: estabelece ângulos tensos com outros planetas. Está, por exemplo, oposta a Plutão: o poder. E temos aí o céu encenando o mito de Perséfone: Deméter (a Lua em Câncer) encara Hades (Plutão) exigindo sua filha de volta.

Aconteceu assim: Perséfone, filha de Deméter, foi raptada por Hades, o senhor do inferno. A mãe enlouquecida de dor procura pela filha em toda a parte. Deusa da fertilidade, Deméter fecha o tempo e faz secar toda a terra, causando o caos sobre a terra. Hades assume o rapto e faz um acordo com a deusa: metade do tempo com ele, metade do tempo com ela. Deméter concorda, mas no período em que a filha está afastada, ela não permite que nada cresça: é o inverno.

Câncer tem fama de ser magoado, de remoer o passado. O mito (na verdade, o céu de hoje!) me lembrou dessa faceta desse amor. Dia de Lua em Câncer tem esse quê de fofinho, mas não faz pouco do amor. Senão...

UPDATE (adoro blog por isso): Depois de ler esse texto, João Cividanes envia link de um texto sobre Ceres, um asteróide que para alguns astrólogos fala da mãe / maternidade no mapa de uma pessoa. (Tem que ver isso aê, e a Lua, né?). O link é esse - rolem a página até lá embaixo, o título é: Ceres, a mulher-mãe.

2 comentários:

Ricardo Dib disse...

Nandinha "brincando" de Astróloga.
Não entendo muito não... mas o texto ta bonito. rs..

Ana F. disse...

Brincadeira das boas, Dib! :-)